segunda-feira, 26 de março de 2012

Pour quoi, mon dieu?

Eu fico dizendo para mim mesma que tenho que parar com essa mania de achar que sei o que é melhor para os outros. Que cada um é cada um e que as pessoas fazem suas escolhas e arcam com as consequências. Mas alguns comportamentos me afligem muito. Fico com vontade de sentar do lado, pegar na mãozinha e dizer: amiga, repensa!

No curso de francês, por exemplo. O curso é bem caro e bem cedo: eu acordo às seis da manhã para baixar lá às sete. Presto atenção, resolvo dúvidas, faço o deverzinho - porque afinal de contas o curso é caro e é cedo, caso alguém ainda não tenha entendido. E é puxado, porque tem aula quatro vezes por semana.

Aí tem uns colegas que matam um monte de aulas. Que chegam constantemente atrasados. Que ficam saindo e voltando para a sala. E claro que eles ficam perdidos e confusos e acham tudo muito difícil. Porque não é fácil. Porque é bastante matéria por dia. Porque francês é uma língua cheia de detalhezinhos.

Então, por que essas pessoas fazem francês? Ou por que fazem o curso intensivo, em vez do normal (metade das aulas, metade do preço)? Sério, gente. Desse jeito é desperdício: de tempo, de dinheiro.

E da minha paciência.

4 comentários:

  1. de qualquer forma, se você só é mala na sua própria cabeça, e não atazana a vida dos seus coleguinhos, você está liberada para ser mala! : )

    ResponderExcluir
  2. Se aborrece atoa não, chérie rsrs

    ResponderExcluir
  3. Super me identifiquei. Mas tu tens razão: não dá pra gente se estressar com essas coisas. Os outros que se virem. Adorei o blog!

    ResponderExcluir
  4. Tu leu o Outliers! Nossa, eu amei esse livro, mudou minha vida total.

    ResponderExcluir