segunda-feira, 23 de abril de 2012

Nós possuímos as coisas ou são elas que nos possuem?

Ontem saíram lá de casa mais duas sacolas grandes de roupas, agasalhos e toalhas. Destino: doação. Dúvida: será que nossas coisas não acabam? Já faz um tempo que estamos despachando sacolas e nem por isso os armários esvaziaram.

É engraçado como é fácil juntar objetos. A gente devia ter uns cinco conjuntos de cama e outros cinco de banho. Precisa de tudo isso? Porque vejam só, não é só a questão de ter gasto dinheiro nesse monte de tecido (que poderia estar aplicado e rendendo, ter sido usado em experiências ou doado para quem precisa). É questão também de guardar esse monte de tecido, em várias gavetas grandes, que estão em um móvel, que ocupa um pedaço do quarto.

Quanto mais coisas a gente tem, mais móveis precisa ter, maior o lugar onde moramos, e mais caro o aluguel/financiamento e o IPTU. Em outras palavras, possuir coisas nos obriga a  guardá-las e mantê-las. E a gente nem sempre pensa no preço (econômico, psicológico, emocional) desse fato.

Não estou recriminando quem quer ter uma casa grande e um monte de posses lá dentro; só estou dizendo que, às vezes, a gente faz "o que todo mundo faz" sem parar para pensar se precisa mesmo, ou se vale a pena ter, cinco conjuntos de cama e outros cinco de banho.

2 comentários:

  1. É pra receber um batalhão de visitas, oras! ;P

    ResponderExcluir
  2. oba! agendada arrumação de quarto com possível liberação de litros de espaço e doação de mundaréus de cacarecos! yey!

    ResponderExcluir