sexta-feira, 11 de maio de 2012

Inventário

A turma do minimalismo sugere que você faça um inventário de todos os objetos que possui. O objetivo é perceber a quantidade de coisas que temos. O segundo passo é avaliar elas são utilizadas ou estão só ocupando espaço.

Pelo que tenho visto, a maior parte das pessoas se surpreende. É fácil esquecer o que temos guardado em gavetas, armários e estantes. Quando fazemos uma lista, o número salta aos olhos. 

Eu entendo que fazemos parte de uma cultura que adquire e conserva. Em tese os objetos aumentam não só nosso conforto físico, mas também o psicológico. O desafio é perceber se isso é verdade pra gente, até que ponto, e se a vida não  muda nossas necessidades. 

Já eliminamos um bocado de coisas. Por enquanto, o foco foram roupas, sapatos, livros, documentos e cosméticos. Agora vamos partir para a sala e a cozinha. 

Não tenho ideia do que devo guardar, se é que devo guardar, para a nossa volta. Talvez transportar e guardar itens fique mais caro do que seu próprio valor. Só sei uma coisa: que a gente tem montes de utensílios domésticos que não usa. Não cozinhamos de verdade em casa - só fazemos lanchinhos - então há várias panelas e acessórios que podem ser despachados sem dó. 

Decidimos que vamos fazer um inventário de tudo que temos e classificá-los em três categorias: manter, doar, em observação. Não precisamos correr, porque ainda faltam vários meses para a nossa partida, mas gostamos de ir nos organizando. Até porque acho que a categoria "manter" vai diminuir com a passagem do tempo. 

4 comentários:

  1. Deve ser muito difícil fazer um inventário assim: geral. Eu venho tentando tomar ânimo para fazer das minhas roupas. rs. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Que bacana que vcs anteciparam a viagem!!
    Conheci seu blog no final do ano apssado. Foi BEM na hora em que eu tinha começado meu proprio movimento minimalista (e nem sabia que tinha nome!). Desde então não comprei NADA. E não foi promessa!Simplesmente não precisei nem senti vontade. Venho doando muitas coisas e jogando fora outras tantas que já não servim pra nada. Fiquei CHOCADA qdo doei 2 DOIS)carros cheios (bancos internos inclusive) de brinquedos das minhas filhas. E o quarto continua cheio. Toda semana me desfaço de alguma coisa minha, delas ou do meu marido. O negócio vicia! Achei que fosse a pessoa mais desorganizada do mundo. Descobri que o problema maior era o excesso. A vida fica mais fácil e alma mais leve!!
    Obs: Pq vc não faz um garage sale? É mais um dindin pra viagem. Como vc disse, algumas coisas saem mais caras guardar do que vender. Aqui em Bsb tem algumas pessoas que trabalham com organização de garage sales e parece que dá super certo.
    Daniela
    Brasília

    ResponderExcluir
  3. Lud, eu AMO listas. Talvez pq seja bem desorganizada ainda. Sugestão: Se você não conseguir fazer um inventário geral, comece pelo inverso. Faça uma lista ou dossiê daquilo que você quer ter, guardar, etc, sem olhar para os objetos antes. Na cozinha, p.e., pode ser assim: 'o que eu uso no dia a dia que não pode faltar?' e por aí vai.

    Eu acho mais fácil, e comigo funcionou.

    ADA

    ResponderExcluir
  4. Oi, Hélida! Eu também acho inventários gerais difíceis. Estou me animando porque já me desfiz de muita coisa!

    Daniela, a redução de objetos ajuda na organização mesmo. Até porque fica mais fácil achar o que já tem, e não compramos de novo a mesma coisa ou uma parecida.

    Garage sale é bacana, sim! Também moro em Bsb e já fui a algumas (pra espiar, não pra comprar). Pensei em promover a minha própria (porque quem organiza fica com uma comissão, lógico). Só tenho medo de me comportar como uma louca e recusar as ofertas: "por esse tanto de dinheiros você não leva o meu faqueiro (usado e incompleto), ah, não leva não!"

    Ada, que ideia boa! Ajuda inclusive a desapegar. Se eu não me lembrar de certo item quando eu estiver fazendo a lista, é porque não uso mesmo. Aí não tem desculpa pra ficar me agarrando a ele, rs.

    ResponderExcluir