terça-feira, 15 de maio de 2012

Pequena crise rapidamente evitada

Semana passada me deu uma aflição: mas é isso mesmo? A gente vai se desfazer de tudo? E depois? Vamos voltar pro Brasil com a roupa do corpo? Montar casa de novo? Mas até quando eu e o Leo nos casamos a gente tinha mais coisa!

Mas é isso mesmo? Vamos pro Sudeste Asiático com uma mala pequena (para comprar mochilas em Kathmandu) e ainda deixaremos roupas pelo caminho? Vou chegar à Europa com a escova de dente, umas camisetas e duas saias indianas? (Vocês vêem o descontrole - eu NEM USO saias indianas.)

Mas é isso mesmo? A gente está se mandando para um um monte de lugares de costumes, cultura e comidas diferentes, cujo alfabeto eu não consigo sequer ler? Como é que eu vou aprender o vocabulário básico do turista em vinte línguas não-ocidentais?

Aí fui conversar com o Leo. E o Leo (que é a pessoa mais calma do mundo, sério) sugeriu que a gente cortasse alguns destinos da nossa lista inicial, que estava tão grande que me deixava tonta. E, que ao invés de irmos conforme nos desse na telha, pulando de cidade para cidade à medida que fôssemos esgotando cada uma, organizássemos direitinho nossa rota, do jeito que costumamos fazer, ainda que fosse para abandonar a organização depois.

Então eu me acalmei.

O frio na barriga permanece, mas o terror cego está sob controle.

4 comentários:

  1. Hahaha, eu ontem te linkando com exemplo de alguém que está prestes a jeter tous par las fénêtres e você me vem com listas organizadas... ah, mas é uma lista organizada de viagem pelo mundo, então tá tudo sob (des)controle. :-)
    Bj
    (Facebook?)

    ResponderExcluir
  2. Em casa tenho uma caixa que há anos não abro, que tem coisas "sentimentais" como cartões de aniversário e natal, ingressos de shows que fui, panfletos de exposições que gostei e estava pensando se realmente preciso guardar isso ou basta as memórias. E você? Também tem essas coisas, e se sim, já se desfez ou vai se desfazer?

    ResponderExcluir
  3. Então, Rita! Eu também estava me achando A moderna e desapegada, mas rolou um reality shock. Antes aqui do que no meio da Tailândia, né?
    Quanto ao Facebook, estou resistindo... porque acho que já gasto um bocado de tempo na internet. Vamos ver quanto tempo dura a resistência.

    Ashen Lady, joguei fora um monte desses itens. Os importantes mesmo? Escaneei! Também dá pra reaproveitar, fazendo capas de cadernos (mas só se você usa cadernos, viu?) ou transformando em papéis de presente.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Lud, frio na barriga é essencial!! Se não, não tem graça ;)

    Cortar destinos é uma boa ideia: facilita, mas não empobrece a viagem. Na minha opinião, na verdade, enriquece: passar mais tempo em um lugar faz com que se conheça a cultura e as pessoas com mais profundidade. Eu não gosto de ficar de turista-padrão, gosto de me jogar, de entender realidades distintas e complexas... Viajar é tudo de bom!

    ResponderExcluir