quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Vida sem carro

Uma ideia com a qual a gente vem flertando há algum tempo é a de não ter um carro. Eu não dirijo, o Leo enjoou, e na ponta do lápis dá pra pegar muito táxi pelo preço do automóvel + combustível + seguro + imposto.

Carro é um conforto, a gente não nega. Mas, além da despesa, tem a parte chata, que é a manutenção, a revisão e eventuais acidentes (já bateram na nossa traseira. Mais de uma vez).

No nosso sabático, não vamos ter carro. Vamos andar de trem, bonde, metrô, ônibus, avião e a pé. Antes de partir, vamos vender o nosso. E aí, quando voltarmos, é bem possível que a gente continue sem.

Vamos nos organizar para isso: morar o mais perto possível do trabalho e de pontos de transporte público. E não ficar pão-durando no táxi quando quisermos sair à noite e visitar os amigos.

Se uma hora a gente achar que precisa de carro de novo, voltamos ao clube dos Senhores Volantes. Mas por enquanto estamos pensando que vamos gostar bem de sermos Senhores Andantes.



Atualização: a Isabella deixou nos comentário o link pra um texto muito bom a respeito de carros e táxis. Estou com o autor: "bom mesmo é ter vários carros e um time de motoristas à disposição. Infelizmente, nem sempre é possível."

12 comentários:

  1. Eu já fiz essa conta. Quando vendi o meu carro anterior, somei todos os gastos que tive com ele (preço de compra, gasolina, garagem, seguro, impostos, multas, pedágios, etc) e dividi por km rodado. Não lembro de cabeça agora, mas deu muito menos do que se eu tivesse andado de táxi (e muitíssimo menos do que eu esperava). Observação: eu não usava o carro para trabalhar, era só para final de semana e viagens (o custo das viagens que eu fazia de carro era equivalente a ir de ônibus). A parte chata de não ter carro é o transporte público, que, com raras exceções, é bastante ruim. Sobre o táxi, quando você precisa, não tem disponível (aqui em Porto Alegre, é assim, basta dar uma chuvinha e eles desaparecem).

    ResponderExcluir
  2. Lud, o meu pai ficou sem carro por um ano e não foi fácil. Ele fez isso por opção e conheceu a parte boa e a parte negativa do trnsporte público no nosso país. Agora está novamente na turma dos volantes.

    Eu realmente admiro as pessoas que conseguem se organizar para fazer isso. Nos poucos dias que fiquei sem carro foi agradável andar de ônibus e de carona, mas eu preferiria ter andando com meu carro, porque ainda há muitos inconvenientes para quem quer usar transporte público em Curitiba. Não sei de onde se resolveu que essa cidade tem o melhor sistema de transporte público depassageiros do país, sinceramente... pra mim não funciona!

    Acho que morar perto do trabalho ou em locais onde se consegue acessar o tranpsorte com facilidade é fundamental. Eu nunca pude escolher onde ia morar em função disso e, se pudesse, teria sido MUITO mais fácil. Na faculdade tive um professor que não tinha carteira. Ele trabalhva articulado com a ONU e tinha que ficar se deslocando entre cidades, bairros e países. Fez tudo de táxi, avião ou metrô. Eu achava (e acho) um barato! Penso que conseguiria sim ficar um ano sem carro se estivesse viajando, mas vivendo o meu dia a dia cheio de deslocamentos e afazeres, penso que teria de fazer menos coisas e chegaria em casa num horário péssimo. Estou curiosa pra ver como será isso para vocês.

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Poxa, vejo apenas comentários pessimistas por aqui. :p
    Olha, eu nunca tive carro. Aqui em casa nunca tivemos. Então, sei de todos os apertos, mas não tenho como comparar com uma vida confortável com carro, logo, pra mim, é natural. Não é nada que vá matar aos dois.
    Moro em São Paulo, ou seja, tudo aqui é longe, e pego coletivo pra tudo. Táxi/carona só pra sair à noite. Até agora não estou ferida! rs É difícil, sim, e eu reclamo, mas tenho a impressão de que em outras cidades seja menos desconfortável (por SP ser enorme e ter gente demais). Posso estar errada, mas se fosse você arriscaria sem medo. Até porque não é um caminho sem volta. Boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Olha, meu comentário não foi necessariamente pessimista, ele só espelha minha realidade. Um beijo!

      Excluir
  4. Já morei em algumas cidades do Brasil, inclusive em Porto Alegre (por pouco tempo) e Curitiba (por muito mais tempo do que eu gostaria.) Posso dizer que a vida sem carro nestas duas capitais do Sul é bem difícil. E pegar um táxi pode ser difícil (cai uma gotícula de chuva, todos desaparecem) e muito caro. Muito mais caro do que RJ e SP, onde apesar de todos os problemas ainda acho bem mais fácil pegar um táxi, usar o transporte público e, dependendo do bairro onde a pessoa mora, existe a real possibilidade de fazer praticamente tudo a pé. Não sei como é em Brasília. Meu marido tem carro, é importante pro trabalho dele. Mas eu faço quase tudo a pé e, quando não está trabalhando, meu marido também. Mas ter um carro à disposição é um conforto muito grande em qualquer cidade, sem dúvida. Lud, boa sorte pra vocês! Alexandra

    ResponderExcluir
  5. E qualquer coisa, vc pode ALUGAR um carrinho! Arrancam o couro no Brasil, mas ainda é muito mais barato que o investimento em carro. Aliás, aqui vão umas matérias recomendadas pelo Marco: http://www.forbes.com/sites/kenrapoza/2012/08/11/brazils-ridiculous-80000-jeep-grand-cherokee/ e também http://www.noticiasautomotivas.com.br/lucro-brasil-faz-o-consumidor-pagar-o-carro-mais-caro-do-mundo/
    É de chorar!

    ResponderExcluir
  6. Eu também não quis ser pessimista. É só que, no meu caso, o fator financeiro não justificaria não ter carro. Eu morei 6 anos perto do trabalho, ia a pé. Era ótimo não precisar de carro para trabalhar, mas para o lazer era importante. Eu trabalho em uma zona central da cidade, sem opções à noite. Mas hoje, depois de ter filho, carro é imprescindível, e vai ser durante alguns anos.

    ResponderExcluir
  7. Em Brasília é MUITO difícil viver sem carro. Em REcife, no Rio ou em SP, eu abriria mão dele facilmente. Aqui... hesito. Sinto-me e sou privilegiada por poder trabalhar de metrô.

    ResponderExcluir
  8. Eu adoro os textos do Alex Castro, em especial esta série "Prisão Dinheiro" dele: http://www.interney.net/blogs/lll/2009/03/20/dinheiro1/

    Agora que vc falou do carro, lembrei deste texto aqui. http://www.interney.net/blogs/lll/2009/03/16/economia_domestica5/

    Acho que você também vai amar...

    ResponderExcluir
  9. Moro em SP e aqui em casa também não temos carro, mas eu moro numa região privilegiada pertinho da Av.Paulista, com várias linhas de ônibus e vou a pé para qualquer lugar, incluindo duas estações de metrô. Trabalho na perififeria e a empresa também fica perto de uma estação, então eu tenho a sorte de ir tranquila no contra-fluxo, ou seja, metrô vazio. Porém, pra quem faz o caminho inverso, mora na periferia e trabalha no centro, acho que o carro traz mais conforto, afinal aguentar 2 horas em pé num ônibus lotado todos os dias não deve ser brincadeira, embora seja a realidade de muita gente. Mas no carro ou no ônibus vai ficar preso no trânsito de qualquer forma. A solução aqui seria incentivar as empresas a se mudarem para a periferia e desafogar os grandes centros empresariais. Ai sim, daria para investir em mais transporte público porque estaria distribuído pela cidade.

    ResponderExcluir
  10. Primuxa, eu vivi sem carro na Alemanha e, com certeza, na Europa vc nao precisa se preocupar com nada disso. Como vc mesma viu, o transporte publico la, funciona muito bem. Eu nao teria carro se morasse la.
    Depois fiquei um ano e meio sem carro nos EUA. Aqui tudo eh muito mais dificil, pois eh o pais do automovel, e o transporte publico eh meio escasso em certas cidades, mas em Chicago, por exemplo,o metro te leva para todo lado e eu sobrevivi bem aqui sem carro...
    Eh bom fazer exercicio! Eu adoro bicicleta e tanto na Europa quanto aqui, eu ando muito de bicicleta...
    Estou adorando seu blog e doida para vc e Leo comecarem a aventura. Nao se esqueca de ir postando tudo.
    Grande abraco,
    Prima Lu

    ResponderExcluir
  11. Marido sempre disse que carro é passivo e gasto. Primeiro que se vc compra novo, ao retirar da loja já perde mt dinheiro. Segundo que um dia ele somou valor da prestação + seguro + ipva + estacionamento + gasolina + manutençaõ e no fim conclui que se tivessemos 1000 por mes pra gastar com taxi, seria mais barato. alem disso, com lei seca, nao da pra usar a noite. entao, e´só gasto. ainda mais se vc paga aluguel mais caro justamente pra ficar numa area mais bem localizada.
    compramos um usado em 2011 pq ele trabalha em outra regiao e ia de trem, e um dia exorcizaram ele no trem do culto (juro). se emputeceu e comprou. sabe que é um gasto, mas falou: ok, eu mereço rs
    mas enfim, é consciente de que é dinheiro gasto, mal gasto. mas nos tem servido pq temos um cachorro com o qual gostamos de viajar. agora que estou tirando carteira, vai ser util pq nos mudarmeos pra um bairor ais longe, co, aluguel pela metade deo que é aqui. e ai o carro vai ter mais utilidade.
    mas sempre vivi sem carro, msm no rio com pessimo transprte publico, e dá.
    bjs

    ResponderExcluir